Marinho pode ser do Flamengo, do Santos ou de nenhum dos dois; entenda

Marinho está feliz em Salvador, mas é quase certo que não ficará lá. A proposta do Monterrey não evoluiu, mas há ofertas dos Emirados Árabes e da China. Também uma disputa nacional, mais feroz entre Flamengo e Santos. Quem oferecer mais dinheiro de salário e se aproximar mais da multa de rescisão contratual de R$ 17 milhões ficará com o jogador em 2017.

O que mais atrasa  o negócio é a situação política do Vitória. A saída do presidente Raimundo Viana, derrotado por Ivã de Almeida na eleição da última quinta-feira, agora obriga a nova diretoria a entender o valor do jogador e a necessidade de vendê-lo ou a tentativa de mantê-lo.

Só na segunda-feira à tarde, a nova direção rubro-negra tomou posse e reuniu-se. Quem negocia em nome do Santos é o empresário Luiz Taveira. Já ouviu de um membro da comissão técnica que não valia perder tempo, porque a relação pessoal de Marinho com os dirigentes do Flamengo levaria o jogador para a Gávea.

Não é assim. O Santos ofereceu 2 milhões de euros por 50% do contrato. A oferta foi recusada. O clube não admite ultrapassar seu teto, na faixa de R$ 120 mil. Isto o torna zebra na disputa.

Mas o Flamengo não é favorito, porque há ofertas dos Emirados Árabes e da China. Se prevalecer o desejo do jogador permanecer no Brasil, o Rio de Janeiro leva vantagem. Mas é precoce dizer qual será o destino do atacante do Vitória.

Fonte: PVC